Mundo RPG

O Lar do Rpgista Brasileiro
 
InícioInício  PortalPortal  GaleriaGaleria  FAQFAQ  BuscarBuscar  MembrosMembros  GruposGrupos  Registrar-seRegistrar-se  Conectar-se  

Compartilhe | 
 

 1º Crônica – No rastro de San Venganza – Lord Brazen

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Heidi Cavalieri
Administrador
Administrador
avatar

Número de Mensagens : 1178
Idade : 27
Data de inscrição : 15/07/2008

MensagemAssunto: 1º Crônica – No rastro de San Venganza – Lord Brazen   Seg Jan 13, 2014 2:54 pm

Por anos, desde que conseguiu sair do inferno, Laos vem juntando força, através de seus contratos, e provas, vestígios, sobre o contrato de San Venganza.

Durante todo esse tempo, todas as provas te levaram de um lugar para o outro, mas nada de concreto lhe trouxeram. Apenas gasto de energia e dinheiro.

Porem, na última semana, um demônio menor, que simpatiza com sua causa, e você sabe muito bem que apenas lhe repassou essa informação, pois não tem condições de ir na busca sozinho, lhe passou algumas informações preciosas.

Em uma cidade no interior de São Paulo, Lins, algumas pragas foram encontradas, igualmente as pragas do Egito, mas não todas, no momento, foram quatro: água em sangue, rãs, piolhos e moscas.

Isso esta atraindo uma quantidade absurda de demônios menores, pode sentir que algo maior esta acontecendo.

Ezequiel, que esta possuindo o corpo de um homem muito velho, esta sentado, olhando para a palma de suas mãos.

- Laos, já te passei essas informações, não posso sair desse corpo no momento, tenho meus interesses aqui. Mas depois, vou direto para Lins. Há alguns boatos, enfim, o contrato pode estar lá.

Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Lorde Brazen
Moderador
Moderador
avatar

Número de Mensagens : 124
Idade : 28
Localização : HEAR ME ROAR!
Data de inscrição : 18/12/2010

MensagemAssunto: Re: 1º Crônica – No rastro de San Venganza – Lord Brazen   Seg Jan 13, 2014 4:19 pm

- Então, Sr Winston, como vai ser? Como lhe disse, posso fazer Mr.Dicaine elevar a proposta de compra de sua empresa antes que ela quebre. Paciência é uma virtude e virtudes são algo em falta quando se lida com minha espécie...tempo para pensar? Claro, mas pense muito bem pois você tem duas opções: Passar o resto de sua vida reconhecido como um dos homens de negócios mais bem-sucedidos e ricos de Manhatan e manter seus luxos ou acompanhar a rota de crise financeira global e descer para rastejar na serjeta, como um mendigo fedorento. As ações de sua companhia estão caindo vertiginosamente, tempo é algo que você não tem...mas permitirei que o use como desejar. Sabe como chegar a mim.

Laos desliga a ligação.

Michael Winston era um nome grande em Wall Street, dono de um conglomerado empresarial promissor, um homem bilionário e influente e apreciador de grandes luxos. Havia 6 meses que partia para seu 4º casamento, uma bela modelo quase 30 anos mais jovem.

Seu mundo começou a desabar após a crise financeira mundial. Suas ações caíram a valores ridículos em todas as suas empresas do grupo. Buscou empréstimos gigantescos para pagar suas dívidas cada vez maiores. Não funcionou. Sua vida estava que queda livre. Como último recurso, o homem venderia metade de suas empresas mas as propostas recebidas eram ridículas e não cobririam metade de seus débitos. Sua mulher o deixara ao perceber que o dinheiro acabou e o velho estava quebrado. Não tinha mais amigos pois todos eram por interesse, como é clássico neste tipo de nível social. Em breve perderia todos os seus bens.

A beira do desespero, o homem chamou Laos. Mas estava receoso quanto a entregar sua alma ao demônio. A negociação se extendeu por uma semana. Laos normalmente não esperaria tanto e teria torrado a fuça do velho se não soubesse que aquela alma particular valia à pena. Criado em família cristã, cresceu com fortes valores religiosos e ainda os mantinha de certa forma, mesmo com sua vida inundada de luxúria e dinheiro. Renderia um escravo valioso no inferno além de uma boa quantia de poder.

Mas a demora estava acabando com sua paciênca. O homem não cedia, oferecia diversas coisas menos a alma. Era uma negociação difícil. Mas Laos sabia que ganharia, o prazo para a venda de sua companhia estava acabando e se Winston não recebesse uma grande proposta do grupo liderado por Dicaine, estaria falido de vez.

Laos guarda seu telefone no terno e volta-se para o velho.

- Lins, hã? Fico me perguntando como esse contrato teria se perdido na America do Sul...isso se for realmente San Venganza. Mas acho que não custa dar uma olhada.

Mas o impressionante era que Laos não poderia imaginar o porque dos estranhos fenômenos. O Contrato de San Venganza esteve completamente oculto durante séculos, graças ao selo angelical. Isso era uma história conhecida. Estaria o selo enfraquecendo? As almas estariam tentando se libertar do contrato? Um contrato selado e cumprido não poderia ser desvirtuado...ou seria possível, se ninguém o reclamasse durante tanto tempo?

Mas a pista era concreta. Algo realmente estava acontecendo naquela cidade. Seja o contrato ou não, Laos descobriria o que.

Ele se concentra e procura pela cidade. Já havia passado pelo Brasil diversas vezes, busca pela imagem da metrópole paulista. Entra em transe e tudo á sua volta começa a girar até desaparecer. Nova York se transforma em fumaça e quando tudo fica claro novamente, o demônio havia se teleportado para São Paulo.

________________________________________________
"Quando eu era um guerreiro, os tambores retumbavam,
As pessoas espalhavam pó de ouro diante das patas do meu cavalo;
Mas agora que sou um grande rei, as pessoas perseguem meus passos
Com veneno na minha taça de vinho e punhais às minhas costas."
- Rei Conan
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Heidi Cavalieri
Administrador
Administrador
avatar

Número de Mensagens : 1178
Idade : 27
Data de inscrição : 15/07/2008

MensagemAssunto: Re: 1º Crônica – No rastro de San Venganza – Lord Brazen   Dom Jan 19, 2014 3:50 pm

No momento, o contrato com o Sr, Wilson necessitava de toda a sua energia e atenção, nunca se sabe quando um contrato desse porte pode voltar a acontecer. Nem todo mundo conhece o demônio Laos, alguns já ouviram falar boatos, outros acham que não passa de um mito.

Os que tem acesso, normalmente são fanáticos, satanistas, que nada tem a oferecer em vida, ao menos, te serviriam pós morte. O que de certa forma, era muito util.

Mesmo corrompido pelo dinheiro, luxúria e principalmente pelo poder, o homem quando começa a perder todo um império que construiu, sempre recorre a sua fé. Mas ele mereceria ser recompesado ou punido? Era uma incógnita, só lhe resta aguardar o contato.

Seu interesse estava voltado para outros assuntos nesse momento. Assim que se teleporta para Lins, sente um cheiro muito forte, causando-lhe um pouco de nausea, enxofre. O seu teletransporte não fora perfeito, a distância era imensa, o que ocasionou esse pequeno enjoo. Nada de preocupante.

Você se encontra em um rua normal, era começo de noite, e mais a frente, percebe que tem um bar, Terra Brasilis, onde inúmeros carros estão na frente. Seria normal, a não ser por um detalhe muito importante: nessa parte da cidade, estava infestado de moscas, menos no bar. É como se uma redoma protegesse aquele local.

Um carro em alta velocidade começa a vir na sua direção, quando chega perto, diminui, abaixa os vidros, dentro do carro, uma mulher linda, de olhos verdes, pele branca, sorri calmamente e mexe os lábios, mas sua voz ecoa apenas na sua mente:

- Pensei que nunca chegaria, Laos. Precisamos da sua ajuda. Me encontre no bar.

Dito isso, ela prossegue, estacionando o carro mais a frente e entrando no bar.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Lorde Brazen
Moderador
Moderador
avatar

Número de Mensagens : 124
Idade : 28
Localização : HEAR ME ROAR!
Data de inscrição : 18/12/2010

MensagemAssunto: Re: 1º Crônica – No rastro de San Venganza – Lord Brazen   Seg Jan 20, 2014 12:39 am

Esse era o problema com teletransportes, sua habilidade ainda estava em pleno desenvolvimento o que fazia que grandes distâncias trouxessem certos incômodos.

Moscas por toda a parte. Algo em decomposição, talvez? Mas não o suficiente para causar tamanha infestação. Sim, claro, os estranhos eventos...

O demônio tira alguns momentos para prestar atenção ao bar. Pelo cheiro for de enxofre, haveriam outros demônio lá dentro. A certeza vem após a linda mulher no carro o chamar. Telepatia não era incomum no inferno. Nada é incomum quando se lida com demônios.

Com cautela, Laos entra no bar e procura pela loira.

________________________________________________
"Quando eu era um guerreiro, os tambores retumbavam,
As pessoas espalhavam pó de ouro diante das patas do meu cavalo;
Mas agora que sou um grande rei, as pessoas perseguem meus passos
Com veneno na minha taça de vinho e punhais às minhas costas."
- Rei Conan
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Heidi Cavalieri
Administrador
Administrador
avatar

Número de Mensagens : 1178
Idade : 27
Data de inscrição : 15/07/2008

MensagemAssunto: Re: 1º Crônica – No rastro de San Venganza – Lord Brazen   Seg Jan 20, 2014 2:15 am



O bar estava lotado. E como esperado, estava repleto de demônios, mas, muitos humanos dentre eles. Podia sentir de longe a influência que sofriam, pois o que via, logo na entrada, era absurdo para qualquer recinto.

O que mais lhe chama atenção, é uma mesa, logo na entrada, onde tem um demônio, conversando com duas mulheres, essas, humanas, faziam uso de cocaína, e provavelmente deveria ter outra droga no sistema, pois estavam literalmente tendo alucinações, e todos se divertiam. Mais ao fundo, perto do balcão, há um casal transando, abertamente, sem interrupções. A educação e os bons modos, passam longe daquele local.

Além dessas cenas, percebe que há uma porta logo atrás do balcão, onde alguns demônios entram e não retornam para a área comum.

Enquanto estava ali, alguns te olham, mas sem muito alarde, era novo no lugar, normal que te olhassem, e até lhe interogassem.

Você sente uma mão passando pelo seu ombro, delicadamente. Era uma mulher idosa, um demônio, sorria para você e indicava com a mão, onde a loira misteriosa lhe esperava.

- Vocês tem muito o que conversar, meu filho. Como vê, estamos do jeito que gostamos, mas, as coisas estão saindo um pouco do controle. Vá, qualquer dia, nos encontraremos novamente, e o cenário sera totalmente diferente.

Da mesma forma que apareceu, a mulher sumiu. Restava apenas descobrir o que viria a seguir.

A loira caminha em sua direção, calmamente, sorrindo, chegando perto, lhe abraça forte, e fala alto:



- Como estava com saudades suas, meu amor. Venha, vamos matar essa saudade.

Dito isso em voz alta, ela lhe dá um selinho. No mesmo instante, uma grande dor invade subitamente sua mente, algumas imagens turvas, onde a loira aparecia, e logo em seguida, uma imagem clara com um recado.

“Sou Ravenna. Vim para a terra, em especial para o Brasil, pois tenho uma missão muito importante, você foi recrutado. Já tera mais informações, por ora, sou a sua doce e amável namorada, que você não vinha me visitar a nove meses.”

Ela ficou segurando sua cabeça, olhando em seus olhos, para evitar que gritasse, assim que a mensagem fora passada, ela pega sua mão e começa a andar para o segundo andar, onde tinha dois seguranças na porta, que vendo a cena, abrem caminho para ela passar. Vocês sobem as escadas e entram em um quarto reservado. No final desse quarto, tem um estranho objeto, uma lança quebrada, mas que estranhamente emite uma energia muito grande.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Lorde Brazen
Moderador
Moderador
avatar

Número de Mensagens : 124
Idade : 28
Localização : HEAR ME ROAR!
Data de inscrição : 18/12/2010

MensagemAssunto: Re: 1º Crônica – No rastro de San Venganza – Lord Brazen   Seg Jan 20, 2014 12:08 pm

"E ainda dizem que não há prazeres no inferno"

Laos caminha calmamente pelo bar lotado, apreciando a música e o ambiente. O erotismo perverso e alucinado comandava aquele local.

Um pequeno aroma, uma pequena ilusão de prazeres terrenos que mandaria todas aquelas almas condenadas fresquinhas direto pro fogo do inferno.

Passa por um jovem e atraente casal que dançava sensualmente na pista. Drogados. Junta-se aos dois, afasta o homem e beija a mulher lenta e lascivamente. Ao terminar, pega o homem pela gola da blusa e também o beija, tão intensamente quando havia beijado a mulher. Nenhum deles resistira, ambos alisavam seu corpo clamando por mais prazer. Se continuasse ali, provavelmente iria com os dois para a cama.  O demônio sorri cruelmente e os deixa na pista.

No caminho para o bar a procura da loira, é interceptado por uma bela morena que puxava um cigarro.

- Você tem fogo, amor?

- Como o inferno, baby.

Concentra-se no cigarro. Ele acende do nada. A morena sorri com certa surpresa e da uma longa tragada.

Então sente o toque delicado da velha. Laos presta atenção em suas palavras com atenção. Havia algo de familiar naquele demônio.

Finalmente a loira.

Laos sente sua mente ser invadida, vê as imagens e a recebe a mensagem. O Inferno o estava recrutando?

Acompanha a mulher até o quarto e vê a lança.

- O que é isso? Posso sentir a energia dessa coisa...

________________________________________________
"Quando eu era um guerreiro, os tambores retumbavam,
As pessoas espalhavam pó de ouro diante das patas do meu cavalo;
Mas agora que sou um grande rei, as pessoas perseguem meus passos
Com veneno na minha taça de vinho e punhais às minhas costas."
- Rei Conan
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Heidi Cavalieri
Administrador
Administrador
avatar

Número de Mensagens : 1178
Idade : 27
Data de inscrição : 15/07/2008

MensagemAssunto: Re: 1º Crônica – No rastro de San Venganza – Lord Brazen   Seg Jan 20, 2014 1:15 pm

Assim que entra e pergunta sobre a lança, ela sorri e depois solta uma risada.

- Achamos alguém que preste. Os outros que tentamos, nem ao menos sentiam a energia da lança. É um objeto que vem direto do inferno. É como se fosse a proteção desse lugar, sem ele, as pragas invadiriam aqui também. É melhor, poupa nossas energias e atrai humanos.


Ela anda pelo quarto, até o criado mudo, ao lado da cama, abre a gaveta e pega um cigarro, o acende calmamente e deita na cama, com os pés para cima. Fecha os olhos por alguns instantes, da outra tragada no cigarro calmamente, batendo a ponta no cinzeiro ao lado. Depois de algum tempo e um silêncio perturbador, ela senta, olhando para você.

- Digamos que você esta no mínimo, curioso. Eu sei o seu nome, porque eu trabalho para um dos grandes do inferno, já deve ter ouvido falar dele, Aka Manah. Pois bem, estamos para iniciar uma verdadeira guerra no inferno, mas isso não é nenhuma novidade para você. O que tem de novo, é contra quem.

Abre novamente o criado mudo, procurando alguma coisa, acha uma pequena garrafa, aquelas típicas que guardam uísque, toma um considerável gole e estende a garrafinha para você, dando outra tragada em seu cigarro.

- A guerra é entre Lúcifer e adeptos de Mamom. Já deve ter ouvido falar do filho de Lúcifer, não é mesmo? Ainda não sabemos como, mas mesmo sem estar nesse plano, ele tem grande influência sob os demônios. Esses sinais, que estão aqui na cidade, nada mais é do que seu poder, esta atraindo uma quantidade absurda de demônios, pois ele quer fazer um contrato, um mais forte que San Venganza, mas dessa vez, com demônios. Já pode imaginar o que vem a seguir, não é mesmo?
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Lorde Brazen
Moderador
Moderador
avatar

Número de Mensagens : 124
Idade : 28
Localização : HEAR ME ROAR!
Data de inscrição : 18/12/2010

MensagemAssunto: Re: 1º Crônica – No rastro de San Venganza – Lord Brazen   Ter Jan 21, 2014 9:03 am

Laos aceita e toma um gole da garrafa.

Aka Manah? O demônio dos maus pensamentos? Peixe grande, negócio grande.

Citação :
- A guerra é entre Lúcifer e adeptos de Mamom. Já deve ter ouvido falar do filho de Lúcifer, não é mesmo? Ainda não sabemos como, mas mesmo sem estar nesse plano, ele tem grande influência sob os demônios. Esses sinais, que estão aqui na cidade, nada mais é do que seu poder, esta atraindo uma quantidade absurda de demônios, pois ele quer fazer um contrato, um mais forte que San Venganza, mas dessa vez, com demônios. Já pode imaginar o que vem a seguir, não é mesmo?

"Terreno perigoso. Cuidado agora."

- Uma guerra sem precedentes envolvendo todos os planos do universo e com resultado catastrófico para todas as partes envolvidas...se o filho pródigo vencer, é claro.

Laos não era estúpido. Mamom era pura destruição e ganancia, sua reputação no inferno não era das melhores. Se ele vencesse a guerra, investiria contra o plano dos mortais, escravizaria a todos. Seria o fim dos contratos, o poder total das almas humanas nas mãos de um só. Fim dos negócios para Laos. Um futuro negro, até para um demônio.

- O curioso é que ele quer usar demônios para fazer um contrato? O que ele ganharia com isso? Qualquer ser com um mínimo conhecimento no assunto sabe que almas humanas tem muito mais poder a oferecer que qualquer outro.

Mas não era impossível. Embora com humanos (seres neutros cujas almas carregam parte da essência do Criador) seja comumente mais vantajoso, tecnicamente um contrato infernal pode ser feito com qualquer ser consciente. É tudo uma questão de custo-benefício.

Se Mamom planejava um contrato com demônios que fosse mais poderoso do que San Venganza, envolveria muitos, mas MUITOS demônios. exércitos inteiros... mas suficiente para quebrar o Inferno ao meio e abalar o poder da Estrela da manhã?

Laos sorri.

- Bem, acho que não se pode fugir de algo assim. O que Aka Manah e Lúcifer querem de mim? E o que me é oferecido em troca?

________________________________________________
"Quando eu era um guerreiro, os tambores retumbavam,
As pessoas espalhavam pó de ouro diante das patas do meu cavalo;
Mas agora que sou um grande rei, as pessoas perseguem meus passos
Com veneno na minha taça de vinho e punhais às minhas costas."
- Rei Conan
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Heidi Cavalieri
Administrador
Administrador
avatar

Número de Mensagens : 1178
Idade : 27
Data de inscrição : 15/07/2008

MensagemAssunto: Re: 1º Crônica – No rastro de San Venganza – Lord Brazen   Ter Jan 21, 2014 2:27 pm

Assim que toma um pouco do uísque, a loira se levanta, ainda fumando, sorrindo, caminha lentamente na sua direção, parando bem próxima do seu corpo, seu rosto fica a centímetros do seu, sorrindo, ela fala, em sussurros.

- Bom, não é mesmo? – Diz sorrindo maliciosamente, pegando a garrafa de você e voltando para a cama, bebendo e fumando, calmamente.

- O que vai ganhar? Bom, não podemos prometer muita coisa de imediato, a princípio muito trabalho, incomodação, alguns demônios na sua cola...- apaga o cigarro no cinzeiro e acende outro- mas, depois de tudo feito e com a recuperação total do inferno, terá um dos tronos.

Seus olhos ficam encarando-o a todo momento, parecia pegar fogo por dentro, um misto de horror e malícia, a sua expressão fica um pouco mais séria, e volta a dizer.

- Esta muito enganado em relação aos contratos. A maioria não esta ligando, porque nunca foi feito. Contratos com humanos nos beneficiam por sua essência com o criador, a alma deles, mesmo corrompida, é um poder imenso para simples demônios como nós, mas Mamom...ele não precisa da essência do criador, pegou só a crueldade e maldade de Lúcifer, se ele conseguir selar o contrato, não vai absorver a alma, e sim os poderes dos demônios. Agora pense, um único demônios, com o poder de todos? Não quero que isso aconteça.

Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Lorde Brazen
Moderador
Moderador
avatar

Número de Mensagens : 124
Idade : 28
Localização : HEAR ME ROAR!
Data de inscrição : 18/12/2010

MensagemAssunto: Re: 1º Crônica – No rastro de San Venganza – Lord Brazen   Qua Jan 22, 2014 11:31 am

Laos ri. Até parece que demônios seriam a única coisa que teria que se preocupar polo caminho.

Um dos tronos? Laos, Rei dos Contratos Infernais? Soa bem aos seus ouvidos.

Citação :
- Esta muito enganado em relação aos contratos. A maioria não esta ligando, porque nunca foi feito. Contratos com humanos nos beneficiam por sua essência com o criador, a alma deles, mesmo corrompida, é um poder imenso para simples demônios como nós, mas Mamom...ele não precisa da essência do criador, pegou só a crueldade e maldade de Lúcifer, se ele conseguir selar o contrato, não vai absorver a alma, e sim os poderes dos demônios. Agora pense, um único demônios, com o poder de todos? Não quero que isso aconteça.

- Ainda parece um futuro tenebroso para todos nós.

Senta-se em uma poltrona, devolvendo o olhar cruel a Ravenna. Tramas, traição, morte, destruição e uma guerra vindoura que fará o universo tremer. Tudo naquela sala.

- Vai ser divertido. Estou dentro.

________________________________________________
"Quando eu era um guerreiro, os tambores retumbavam,
As pessoas espalhavam pó de ouro diante das patas do meu cavalo;
Mas agora que sou um grande rei, as pessoas perseguem meus passos
Com veneno na minha taça de vinho e punhais às minhas costas."
- Rei Conan
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Heidi Cavalieri
Administrador
Administrador
avatar

Número de Mensagens : 1178
Idade : 27
Data de inscrição : 15/07/2008

MensagemAssunto: Re: 1º Crônica – No rastro de San Venganza – Lord Brazen   Qua Jan 22, 2014 11:52 pm



Mesmo do quarto, pode-se ouvir uma mulher cantando Janis Joplin, a semelhança entre as duas era evidente.

Ravenna, assim que escuta o soar e o timbre fecha os olhos e sorrindo, fala baixinho:

- Uma das melhores invenções humanas...a música!

Dito isso, ela pega a garrafa e toma mais um gole, levanta-se e vai na sua direção, sem cerimônias, senta no seu colo, de frente para você, dando na sua boca mais um pouco do uisque. Depois disso, segura o seu rosto com certa força, dando-lhe um beijo calmo, mas cheio de vontade. Ao término do beijo, ela sorri e pisca o olho para você.

- Pode ser um dos meus últimos beijos. Enfim, se divirta essa noite, tem algumas humanas lá em baixo drogadas, se preferir, tem algumas demônias. Amanhã pela manhã, nossa primeira tarefa, temos que aniquilar os demônios adeptos de Mamom.

Ela passa a mão pelo seu corpo, com vontade, levantando-se em seguida.

- Agora tenho trabalho a ser feito. Vou encontrar o outro demônio que nos ajudará a derrotar todo esse pessoal daqui. Esteja pronto quando eu lhe procurar.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Lorde Brazen
Moderador
Moderador
avatar

Número de Mensagens : 124
Idade : 28
Localização : HEAR ME ROAR!
Data de inscrição : 18/12/2010

MensagemAssunto: Re: 1º Crônica – No rastro de San Venganza – Lord Brazen   Qui Jan 23, 2014 11:57 am

Citação :
Mesmo do quarto, pode-se ouvir uma mulher cantando Janis Joplin, a semelhança entre as duas era evidente.

Ravenna, assim que escuta o soar e o timbre fecha os olhos e sorrindo, fala baixinho:

- Uma das melhores invenções humanas...a música!


Laos para para escutar o som e aprecia a música. Diziam que o rock era a música do Diabo. Talvez fosse verdade. Alguns de seus ícones bem que estavam no andar de baixo.

- De fato, as vezes me pergunto como alguns músicos foram parar no inferno. Seus trabalhos são quase...divinos.


Gargalha maliciosamente enquanto Ravenna senta em seu colo. Aproveita para alisá-la, sentir sua pele e retribui o beijo de forma lasciva e luxuriosa.

- Não se preocupe, aguardarei anciosamente. Ando realmente precisando de um pouco de ação.

Estava excitado e precisava mexer seus músculos. Arrancar cabeças e corações. Queimar alguém por aí.

Aguarda alguns minutos após Ravenna sair do quarto antes de descer. Estudaria o terreno, espiaria o tipo de "clientela" do lugar. Mas primeiro, claro, aproveitaria a noite.

Desce as escadas e vai para o bar. Quem sabe não terminaria o que começou com aquele casalzinho que interceptou na entrada?

________________________________________________
"Quando eu era um guerreiro, os tambores retumbavam,
As pessoas espalhavam pó de ouro diante das patas do meu cavalo;
Mas agora que sou um grande rei, as pessoas perseguem meus passos
Com veneno na minha taça de vinho e punhais às minhas costas."
- Rei Conan
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Heidi Cavalieri
Administrador
Administrador
avatar

Número de Mensagens : 1178
Idade : 27
Data de inscrição : 15/07/2008

MensagemAssunto: Re: 1º Crônica – No rastro de San Venganza – Lord Brazen   Qui Jan 23, 2014 10:01 pm

Assim que desce para a área comum do bar, você percebe um demônio que estava conversando com Ravenna, eles sobem as escadas, passando por você, a caminho dos quartos. Provavelmente, aquele demônio era quem estavam esperando. O reforço para a batalha ao alvorecer.

Voltando a sua atenção para a clientela, mais do que nunca, sente a influência das drogas e dos demônios nos humanos. Aquele mesmo casal, que estava transando quando chegara, ainda estavam amando, de modo frenético, olhando melhor, percebe que escorre sangue pela perna da mulher, mas ela não parecia sentir dor, com certeza, os dois estavam sob influência de algo mais forte que drogas.

Os demônios que ali estavam, não se preocupavam com muita coisa, se concentravam apenas na profanação que estavam fazendo, tanto na carne como na alma. As marcas que deixavam eram grandes, e muitas almas de que ali estavam, você os encontraria mais tarde no seu verdadeiro lar.

Enquanto analisava tudo, uma mulher lhe chama atenção no fundo do bar, estava sentada, quieta, apenas tomando o seu drink, não parecia estar drogada. Ao seu lado, o casal que a pouco teve um breve momento de prazer, ainda estavam extasiados, dançando sensualmente, um belo convite aos olhos.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Lorde Brazen
Moderador
Moderador
avatar

Número de Mensagens : 124
Idade : 28
Localização : HEAR ME ROAR!
Data de inscrição : 18/12/2010

MensagemAssunto: Re: 1º Crônica – No rastro de San Venganza – Lord Brazen   Sex Jan 24, 2014 4:50 pm

"Espero que ele seja bom de briga. O bar está cheio, isso vai ser deliciosamente sangrento"

Laos ri e admira a cena do casal por alguns momentos. Poderia muito bem selar um contrato com eles agora, um pouco de poder anrtes da batalha. Extasiados como estavam, entregariam de vez suas almas por um preço muito baixo.

Presta atenção na mulher no fundo do bar. Discretamente, analisa por alguns momentos e decide que a abordaria. Mas não agora. Agora precisava reunir poder para a luta vindoura. Precisava de almas para marcar. Primeiro, negócios.

Vai até o casal silenciosamente. Junta-se a sua dança, mistura-se a seus corpos, faz parte do jogo sensual. Os convida com o olhar e um sorriso de pura malícia. Entra em extase, sintonizando-se. O jogo que sabia fazer tão bem.

Depois o convite.


- Venham comigo, há um lugar discreto no fundos pra se divertir.

Beija ambos ardentemente e os conduz para o canto mais escuro.

________________________________________________
"Quando eu era um guerreiro, os tambores retumbavam,
As pessoas espalhavam pó de ouro diante das patas do meu cavalo;
Mas agora que sou um grande rei, as pessoas perseguem meus passos
Com veneno na minha taça de vinho e punhais às minhas costas."
- Rei Conan
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Heidi Cavalieri
Administrador
Administrador
avatar

Número de Mensagens : 1178
Idade : 27
Data de inscrição : 15/07/2008

MensagemAssunto: Re: 1º Crônica – No rastro de San Venganza – Lord Brazen   Sab Jan 25, 2014 1:37 am



Tesão, drogas, álcool, uma mistura perigosa e fatal. Não estava diferente naquela noite. Apenas estava mais fácil que o habitual.

Enquanto entra no jogo de sedução com o casal, não deixa de reparar a bela mulher solitária, que te lançava um olhar misterioso, mas carregado de sensualidade.

Ignorada por enquanto.

O casal o segue sem maiores problemas, completamente entregues ao tesão do momento. Já nos quartos, no andar de cima, a mulher mostra atitude, joga os dois na cama e começa um strippe tease de tirar o fôlego até do homem mais sisudo. Foi o aquecimento.

O prazer que os três estavam sentindo no momento era tão grande, que acabaram por quebrar a cama e quase toda a mobília do quarto. Sexo selvagem, sem pudores. O que sobrava era o sentimento de êxtase, de satisfação.

O casal estava sem forças, deitados na cama, entregues ao momento. Você se via no meio de ambos, alguma coisa o empurrava para tentar mais, querer abstrair ainda mais prazer do corpo humano. Mas sabia que o alvorecer logo se aproximaria. Era um risco enorme a se correr.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Lorde Brazen
Moderador
Moderador
avatar

Número de Mensagens : 124
Idade : 28
Localização : HEAR ME ROAR!
Data de inscrição : 18/12/2010

MensagemAssunto: Re: 1º Crônica – No rastro de San Venganza – Lord Brazen   Sab Jan 25, 2014 4:29 pm

Laos os conduz  até o andar e cima, para os quartos. Traca a porta. Antes de começar o show olha nos olhos de cada um. Havia algo de diferente em seus olhos. Aqueles que olhassem sentiriam um desejo irresistível, uma submissão automática. O poder de seu olhar de compulsão. As palavras de Laos ecoam em suas mentes:

- Vocês me entregarão TUDO por esta noite de prazer. Seus corpos, seus corações e suas almas. Tudo será meu para sempre, o preço desta noite. Este é meu acordo.

Beijar ardente, lasciva e luxuriosamente cada um deles. O conduz a mais um beijo entre eles.

Sorri maliciosamente. Estava feito.

- Vale á pena, não?

Estavam drogados, estasiados e com vontade fraca. Fácil demais de selar o contrato.

A ato foi o selo. O contrato fora cumprido. Havia dado aos dois a melhor noite de prazer que teriam em suas vidas. Em troca, tinha suas almas para sempre. Sua força preenchia o corpo de Laos como uma bateria sendo recarregada. Poder que usaria ao alvorecer.

Se levanta discretamente da cama e se arruma com calma. Vê um uísque barato na cabeceira e o bebe. Antes de sair, olha uma última vez para o casal. Como efeito do contrato, Laos podia ver sua marca cravada em seus corpos. A marca de Laos, era nada mais nada menos que seu nome verdadeiro. Aquele que cada demônio possuía e que JAMAIS deveria ser revelado a qualquer mortal. Quando morressem (o que não demoraria muito se prosseguissem com aquele estilo de vida, convenhamos), se tornariam seus escravos no inferno. Mas agora eram nada mais que cascas vazias, suas almas pertenciam ao demônio.

Desce as escadas, era hora de falar com a loira que havia lhe chamado tanta atenção.

________________________________________________
"Quando eu era um guerreiro, os tambores retumbavam,
As pessoas espalhavam pó de ouro diante das patas do meu cavalo;
Mas agora que sou um grande rei, as pessoas perseguem meus passos
Com veneno na minha taça de vinho e punhais às minhas costas."
- Rei Conan
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Heidi Cavalieri
Administrador
Administrador
avatar

Número de Mensagens : 1178
Idade : 27
Data de inscrição : 15/07/2008

MensagemAssunto: Re: 1º Crônica – No rastro de San Venganza – Lord Brazen   Sab Jan 25, 2014 5:20 pm

Laos podia sentir todo o poder que uma alma podia lhe proporcionar. Mas naquela noite, eram duas almas. Sua energia estava completamente revigorada, e com sorte, teria mais dois servos para lhe servir, satisfazer, ao seu bel prazer.

Assim que desce, a mulher estava no mesmo local, intocada. Talvez os outros demônios não tivessem reparado bem na joia que ali se encontrava.

Logo que chega perto, ela abre um sorriso tímido, mas ao mesmo tempo envolvente:

- Pensei que não voltaria.

O relógio marcava 2h45.

Pode perceber Ravenna indo na direção do palco, estava apenas de calça jeans e sutiã, muitos, mas muitos demônios a olhavam com desejo. Mas o seu objetivo, estava no palco. Aquela mulher, com voz belíssima.

Ela chega contornando o corpo dela, passando as mãos por sua barriga e tirando a sua blusa. Lenta e delicadamente, ela encostava a mulher em um canto escuro, onde a visão de todos é muito limitada. Não consegue mais ver nada.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Lorde Brazen
Moderador
Moderador
avatar

Número de Mensagens : 124
Idade : 28
Localização : HEAR ME ROAR!
Data de inscrição : 18/12/2010

MensagemAssunto: Re: 1º Crônica – No rastro de San Venganza – Lord Brazen   Seg Jan 27, 2014 9:11 am

Laos observa Ravenna por alguns momentos. A imagem de seu corpo escultural, sua sensualidade ao dançar o enche de desejo. Mais do que nunca, ele desejava possuí-la naquele momento. Uma vontade louca, incontrolável e avassaladora.

Dura por alguns minutos e, como um encanto, desaparece. O negociador de almas (assim como todos os outros que tinham os olhos fixos na demônia) esquece de Ravenna, qualquer interesse que tinha nela ou no palco vira poeira que se espalha e some no ar contaminado do bar, como se nada tivesse acontecido.

Laos caminha até a mulher que algumas poucas horas antes havia lhe chamado atenção. Sente um misto de estranheza e alívio ao ver que ela permanecia exatamente da mesma forma que antes, como se nenhum outro demônio tivesse posto seus olhos nela e tentado uma investida. Era tentadora demais. Devia ter uma alma deliciosamente poderosa.

Seu sorriso tímido ao encarar Laos era o convite que ele precisava para sentar-se.


Citação :
- Pensei que não voltaria.

- Negócios, meu anjo. Sempre levam mais tempo do que gostaríamos mas o que podemos fazer? Precisamos ganhar dinheiro, certo? É o mal deste mundo contemporâneo e capitalista.

Sorri docemente, olhando-a com olhos verdes e profundos. Eram a tonalidade favorita, joviais, sedutores, convidativos.

Presta atenção no relógio. Ainda tinha mais algum tempo antes da ação começar.

Onde diabos estava Ravenna? Lembrava de te-la visto...no palco?

Por algum motivo, aquilo deixou de ter interesse.

Volta-se para a fascinante mulher á sua frente:

- Gostaria de uma bebiba? O uísque é barato mas combina com o ambiente. A essa hora, alcool é bom de qualquer forma para libertar os sentidos, não acha?

________________________________________________
"Quando eu era um guerreiro, os tambores retumbavam,
As pessoas espalhavam pó de ouro diante das patas do meu cavalo;
Mas agora que sou um grande rei, as pessoas perseguem meus passos
Com veneno na minha taça de vinho e punhais às minhas costas."
- Rei Conan
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Heidi Cavalieri
Administrador
Administrador
avatar

Número de Mensagens : 1178
Idade : 27
Data de inscrição : 15/07/2008

MensagemAssunto: Re: 1º Crônica – No rastro de San Venganza – Lord Brazen   Seg Jan 27, 2014 8:17 pm

A misteriosa morena continuava mantinha o mesmo sorriso tímido no rosto, escuta e observa com atenção todos os movimentos de Laos. Era como se seus olhos o hipnotizassem, ao mesmo tempo que carrega um mistério, carrega uma sensualidade que o demônio não estava acostumado.

Seus lábios brigavam pela sua atenção, e o efeito da hipnose só acaba com o som da voz:

- Negócios? Pensei que eu era a única que estava aqui a trabalho. Certamente, o nosso mundo encontra-se muito corrompido, o único Deus que importa é o dinheiro. Dinheiro é poder, poder, bom, poder é o que todos almejam, não é mesmo?

Tinha algo de estranho com a humana, a sua alma era pura, Laos podia sentir, mas os seus encantos, sua sensualidade, não era uma coisa normal. Quando fala da bebida, ela apenas levanta o seu copo, mostrando o dry martini que estava tomando.

- Infelizmente não partilhamos do mesmo gosto por uísque. Mas adoraria que bebesse algo em minha companhia.

Ela passa a mão pelos cabelos, abrindo um sorriso malicioso. Nesse mesmo instante, você sente como se algo estivesse sentado em seu colo, mesmo com seus poderes, não consegue ver, apenas a sensação nítida.

A porta que estava atrás do balcão se abre, saindo um homem de quase dois metros de altura, muito forte, e vinha caminhando na direção de vocês dois.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Lorde Brazen
Moderador
Moderador
avatar

Número de Mensagens : 124
Idade : 28
Localização : HEAR ME ROAR!
Data de inscrição : 18/12/2010

MensagemAssunto: Re: 1º Crônica – No rastro de San Venganza – Lord Brazen   Ter Jan 28, 2014 9:04 am

Laos sentia que algo estava errado. Aquela humana era muito mais do que demonstrava. Havia um senso incomum, uma sensualidade tamanha que fascinava e excitava o demônio.

Já ouvira falar de pessoas assim. Bruxos poderosos, conhecedores de segredos profanos, capazes de conjurar e controlar os infernais ao seu bel prazer. Nunca havia esbarrado com um desses durante seu período no plano material, a maioria eram simples humanos satanistas estúpidos que mal sabiam o que estavam fazendo. Peixes pequenos que acabavam tendo suas almas consumidas por preços ridículamente baixos. Seria essa a primeira? O que diabos ela era?

Não conseguia tirar os olhos dela. Era irresistível, maliciosa, poderosa. E sentir que sua alma era pura, mesmo com tudo isso, trazia idéias perversas mesmo à cabeça de um demônio. Ansiava por suas mãos em seu corpo e se apoderar daquela alma. Sentia sua "aura", sabia que era muito poderosa.


Jogaria o jogo dela. No final, o Inferno ganha. Sempre.


Citação :
- Negócios? Pensei que eu era a única que estava aqui a trabalho. Certamente, o nosso mundo encontra-se muito corrompido, o único Deus que importa é o dinheiro. Dinheiro é poder, poder, bom, poder é o que todos almejam, não é mesmo?


Devolve o sorriso sedutor. Tentava usar de seus próprios artifícios, sua própria lábia, sua inteligência para seduzí-la.


- Não é ruim ter poder. Ruim é não saber como utilizá-lo. Homens e mulheres poderosos e que usam seu poder corretamente, tem o mundo à seus pés. Posso ver que estou falando com uma agora. Você é fascinante.[/b]

Laos sente algo em seu colo. Apesar de inesperado, não retira seus olhos das morena, tinha de manter seu papel. Pega um pouco do uísque e, enquanto bebe, olha para seu colo e fica ainda mais surpreso ao ver que era apenas uma sensação.


Que diabos é isso?!



Seu pensamento é interrompido ao perceber o homem que vinha em nossa direção.  O olha com certa curiosidade. Mantém a pose e olhar convencido e pergunta calmamente á sua companhia:

- Conhecido seu?


Laos sente um pequeno estalo em sua cabeça, uma sensação de incômodo, tensa,  que não sabia descrever. Era seu senso de perigo, ele bem sabia, algo estava prestes a acontecer em breve.[/b]

________________________________________________
"Quando eu era um guerreiro, os tambores retumbavam,
As pessoas espalhavam pó de ouro diante das patas do meu cavalo;
Mas agora que sou um grande rei, as pessoas perseguem meus passos
Com veneno na minha taça de vinho e punhais às minhas costas."
- Rei Conan
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Heidi Cavalieri
Administrador
Administrador
avatar

Número de Mensagens : 1178
Idade : 27
Data de inscrição : 15/07/2008

MensagemAssunto: Re: 1º Crônica – No rastro de San Venganza – Lord Brazen   Ter Jan 28, 2014 1:53 pm

Enquanto permanecia sentado, a sua sensação só fazia aumentar. Era como se alguém estivesse sentado em seu colo, podia sentir até a respiração meio ofegante, o vento de suas narinas batendo levemente em seu rosto.

O homem, continuava andanda, desviava de todas as pessoas, mesmo sendo interrompido algumas vezes por alguma mulher ou demônio. Seus olhos fitavam a sua companheira, e um sorriso singelo aparece no rosto dele.

Ao se aproximar, ele te olha dos pés a cabeça, medindo-o, depois, olha para o seu colo, sua face muda, agora era espanto, mas volta-se a morena que estava ao seu lado.

- Precisamos de mais. Peça para seus homens trazerem aqui amanhã ao meio dia. – Ele novamente o olha, agora sua feição era de raiva, e depois volta a falar – E quem esse demônio de merda pensa que é?

A mulher levanta-se e fica entra os dois, tentando separar qualquer eventual briga. Ela encosta no braço do homem, de leve, e sua expressão muda rapidamente, voltando ao normal.

- Volte ao trabalho, depois nos falamos. O pedido estará aqui na hora combinada.

Ela o olha, nitídamente constrangida.

- Me desculpa, negócios. E também, não quero lhe atrapalhar, você já esta bem encrencado, não é mesmo?

Olhando para o seu colo, ela toma mais um pouco do seu drink, em seguida pronunciando algumas palavras, praticamente inaudíveis “Hail Satã! Sheramphorash!”, depois dessas palavras, a sensação passa a ser realidade. Sua garganta se fecha por completo, seu corpo começa a ser apertado como se correntes muito grossas lhe segurassem, sua cabeça, é voltada para o teto, como se a humana soubesse de seus poderes.

Ela levanta-se e pára rente ao seu ouvido, sussurrando.

- Queremos Ravenna. Amanhã ao meio dia vamos buscá-la. Não somos adeptos de Mammon, só um estúpido seria. Mas ela mexeu com gente errada, e se não a entregar para nós...

Seu corpo nesse momento começa a ficar gélido, uma sensação que não tinha noção desde que era humano, todas as suas vertébras começam a estalar, sua cabeça, parecia que ia explodir. Pode sentir alguma coisa sendo injetada na sua pele, e depois a sensação de queimação, que andavam por todas as suas veias.

- Isso é apenas uma garantia. Assim que a tivermos em nossas mãos, os espíritos lhe retiraram o veneno. Boa batalha, tanto ao alvorecer, como contra Ravenna, ela joga baixo.

Da um tapinha em seu rosto, deixa o copo no balcão e vai embora do bar, para então, seu corpo ser libertado novamente. Mas a queimação em seu corpo continua.

Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Lorde Brazen
Moderador
Moderador
avatar

Número de Mensagens : 124
Idade : 28
Localização : HEAR ME ROAR!
Data de inscrição : 18/12/2010

MensagemAssunto: Re: 1º Crônica – No rastro de San Venganza – Lord Brazen   Ter Jan 28, 2014 4:44 pm

Laos continou sorrindo mas não por muito tempo. A sensação estranha em seu colo aumentava, assim como aquela pontada de perigo que sentia. Não era algo comum, o demônio estava sendo afetado por alguma coisa. Teve certeza ao sentir de fato a presença, ao ouvir sua respiração tão próxima. Um espírito? Demônios poderiam vê-los, porque não podia visulizá-lo, mesmo sentindo sua presença tão próxima? Ou era algum tipo de feitiço que não conhecia?

Mas que merda é essa?! - pensa, a tensão em seu corpo aumentando.

Idiota, onde estava sua inteligência?! Havia caído fácil, fácil demais. Aquela humama com alma tão visívelmente pura e saborosa, no meio de um monte de demônios famintos e pevertidos, simplesmente invisível e sem ninguém para abordá-la antes? Somente Laos podendo sentir seu cheiro irresistível? Uma cilada, claro, uma verdadeira e bem conhecia "Devil's Trap". Arma clássica de ocultistas bem esclarecidos.

Laos, você já foi mais esperto... seu senso de perigo sempre lhe avisava quando havia algo por debaixo dos panos. Não havia sido diferente desta vez.

Pois bem. Estava na lama com aquela puta, precisava pensar rápido agora. O que poderia usar para se safar?

Informação. Sempre informação. Preste atenção nela, Laos. Detalhes, sempre os detalhes.


Citação :
Ao se aproximar, ele te olha dos pés a cabeça, medindo-o, depois, olha para o seu colo, sua face muda, agora era espanto, mas volta-se a morena que estava ao seu lado.

- Precisamos de mais. Peça para seus homens trazerem aqui amanhã ao meio dia. – Ele novamente o olha, agora sua feição era de raiva, e depois volta a falar – E quem esse demônio de merda pensa que é?

A mulher levanta-se e fica entra os dois, tentando separar qualquer eventual briga. Ela encosta no braço do homem, de leve, e sua expressão muda rapidamente, voltando ao normal.

- Volte ao trabalho, depois nos falamos. O pedido estará aqui na hora combinada.

Ela o olha, nitídamente constrangida.

- Me desculpa, negócios. E também, não quero lhe atrapalhar, você já esta bem encrencado, não é mesmo?


Poderia começar por aqui. Quem era o homem? E qual o relacionamento dele com a bruxa? Descobriria.

A mulher conjura seu feitiço. Não consegue ouvir bem as palavras recitadas mas reconhece a citação final que fecha um ritual profano, antes de ter seu corpo imobilizado e gelado. Seu olhar preso no teto não permitia que usasse sua compulsão. Mais um ponto a se considerar. A mulher o conhecia. Sabia o que podia e não podia fazer. Puta desgraçada.

Ainda podia sentir em seu corpo o veneno. A sensação terrível de queimação percorrendo cada veia. Se não trouxer Ravenna, tudo iria piorar.

Respira fundo quando é libertado, após a mulher sair do bar. Sentia vontade de vomitar. Não, não sentia. Laos não era mais humano, então não se comportaria como um.


Ele revidaria. Os malditos vão queimar.

Se levanta com calma, respira fundo novamente. Espera a maior parte de seus sentidos se estabilizarem, sua força retornar. Caminha discretamente até um canto escuro e discreto. Com a certeza de que ninguém o vê, conjura outro de seus poderes.

Faz sua aparência mudar. Assume a forma de uma bela morena, com feições parecidas com a da bruxa. Começa a procurar por seu amante alto.

________________________________________________
"Quando eu era um guerreiro, os tambores retumbavam,
As pessoas espalhavam pó de ouro diante das patas do meu cavalo;
Mas agora que sou um grande rei, as pessoas perseguem meus passos
Com veneno na minha taça de vinho e punhais às minhas costas."
- Rei Conan
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Heidi Cavalieri
Administrador
Administrador
avatar

Número de Mensagens : 1178
Idade : 27
Data de inscrição : 15/07/2008

MensagemAssunto: Re: 1º Crônica – No rastro de San Venganza – Lord Brazen   Qui Jan 30, 2014 12:50 am

Laos muda de forma assim que encontra um local escuro e calmo. Seus olhos começam a percorrer o bar atrás do homem de confiança da bruxa. Antes de achá-lo, percebe que as pessoas que lá estavam, a cada momento que passava, estavam mais alucinadas, e não era o efeito das drogas. Antes estava um clima lascivo, luxurioso, agora, estavam brigando feito animais, pareciam disputar espaços, e os demônios, apenas observando as cenas se desenrolarem para o seu divertimento.

Também nota que o dia já estava alvorecendo. Havia passado tanto tempo nas mãos daquela mulher? Teria pouco tempo.

Enquanto divagava por alguns instantes, sente uma mão apertando o seu braço forte, quase erguendo agora o seu corpo frágil e leve.

- Você ta louca de continuar aqui? Não vê o que vai acontecer? Se Ravenna lhe encontrar andando livremente assim, no meio do bar, ela arrancara seu coração na frente todos. Sabe que ela é capaz. Ande, vai embora e volte amanhã.


Falava o moreno alto, em tom amedrontado e baixo, não querendo que mais ninguém o escute.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Lorde Brazen
Moderador
Moderador
avatar

Número de Mensagens : 124
Idade : 28
Localização : HEAR ME ROAR!
Data de inscrição : 18/12/2010

MensagemAssunto: Re: 1º Crônica – No rastro de San Venganza – Lord Brazen   Qui Jan 30, 2014 8:57 am

"Então eles não são tão cheios de sí assim...ainda tem medo de Ravenna. Bom saber."

Laos teria então, em Ravenna mesmo, seu trunfo. Provavelmente não eram tão poderosos para por Ravenna em cheque em um combate direto e por isso o estavam utilizando. Pois bem, faria o jogo duplo.

Laos mantém a pose, tentando imitar o que pudesse da morena.

- Não poderia ir embora sem beijo de despedida...

Agarra a cabeça do homem e o beija lascivamente. Espera que seus sentidos se dissolvam no beijo, que ele desvie sua atenção. Ao terminar, olha profundamente em seus olhos.

- Você está completamente sob meu controle e me pertence à partir de agora.

A voz de Laos se faz ecoar dentro da cabeça do homem, atingido cada nervo, cada ligação em seu cérebro. Pressionando sua vontade até a completa submissão.

________________________________________________
"Quando eu era um guerreiro, os tambores retumbavam,
As pessoas espalhavam pó de ouro diante das patas do meu cavalo;
Mas agora que sou um grande rei, as pessoas perseguem meus passos
Com veneno na minha taça de vinho e punhais às minhas costas."
- Rei Conan
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Heidi Cavalieri
Administrador
Administrador
avatar

Número de Mensagens : 1178
Idade : 27
Data de inscrição : 15/07/2008

MensagemAssunto: Re: 1º Crônica – No rastro de San Venganza – Lord Brazen   Sex Jan 31, 2014 11:40 pm

- Mas que porra...- a frase do homem é interrompido por um beijo profundo e lascivo, no início, ele resiste ao poder de sedução da ‘morena’, mas em seguida, lhe abraça com força, trazendo o seu corpo junto do dele, para em seguida, estar totalmente entregue aos seus poderes.

Ele fica parado, sorrindo, ainda abraçado ao seu corpo.

- Esperei tanto por esse momento. Nunca imaginava que você tomaria a iniciativa. E, eu sempre estive ao seu controle, sempre fui seu...

O homem estava entregue ao seu comando, o que revelou um amor profundo e platônico, um prato cheio para a diversão de qualquer demônio.

Seus olhos passam rapidamente a sua volta, e percebe que um dos capangas de Ravenna estava perto, e sem que pudesse fazer qualquer coisa, sente duas mãos segurando a sua cabeça, paralisando o seu corpo por completo.

O toque das mãos e o cheiro do corpo, era a demônia.

- Ora, ora, quem eu encontro aqui, no MEU bar, namorando este cachorro! Você...- Ela pára por alguns instantes, segura forte no seu cabelo e te continua a falar – Que porra é essa Laos? Não sei o que quer com esse filho da puta, mas sugiro que faça depois, agora, temos que agir. Eu disse AGORA.

Ela passa a mão por sua cabeça novamente, liberando o seu corpo para os movimentos. Ela passa os olhos pro capanga, fazendo um sinal. Depois, uma fumaça é liberada no bar, quase todos os demônios são afetados, mostrando as suas reais feições, deixando os humanos apavorados, quase entrando em loucura.

Spoiler:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Lorde Brazen
Moderador
Moderador
avatar

Número de Mensagens : 124
Idade : 28
Localização : HEAR ME ROAR!
Data de inscrição : 18/12/2010

MensagemAssunto: Re: 1º Crônica – No rastro de San Venganza – Lord Brazen   Seg Fev 03, 2014 2:57 pm

Citação :

- Mas que porra...- a frase do homem é interrompido por um beijo profundo e lascivo, no início, ele resiste ao poder de sedução da ‘morena’, mas em seguida, lhe abraça com força, trazendo o seu corpo junto do dele, para em seguida, estar totalmente entregue aos seus poderes.

Ele fica parado, sorrindo, ainda abraçado ao seu corpo.

- Esperei tanto por esse momento. Nunca imaginava que você tomaria a iniciativa. E, eu sempre estive ao seu controle, sempre fui seu...

Estava feito. Um dos fios daquela trama pertencia a Laos. Agora ele tinha uma brecha contra a bruxa, bastaria amarrar os pontos corretamente e armar a arapuca.

O demônio retorna a sua forma anterior. Não faria diferença agora, o idiota o pertencia e seguiria tudo o que mandasse.

- Bem, parece que temos muito para conversar. Agora quero que me diga o que diabos aquela vadia fez comigo...

Foi nesse momento que sentiu seu corpo ser paralisado. De novo. Aquilo já estava deixando-o muito irritado.


Citação :
- Ora, ora, quem eu encontro aqui, no MEU bar, namorando este cachorro! Você...- Ela pára por alguns instantes, segura forte no seu cabelo e te continua a falar – Que porra é essa Laos? Não sei o que quer com esse filho da puta, mas sugiro que faça depois, agora, temos que agir. Eu disse AGORA.


- Para começar, estou tentando me livrar da merda em que VOCÊ me colocou. E aparentemente nada disso tem haver com Mamom ou que quer se seja que eu deveira me preocupar. Temos que conversar, Ravenna, conversar MUITO SERIAMENTE.

Espera que a demônia o solte. Arruma seu terno. Transforma-se novamente na bruxa morena, Ravenna provavelmente sabia quem era.

- Conhece a vadia? Ela fez o favor de me ferrar e estou envenenado. Tenho até o meio-dia pra entregar sua cabeça numa bandeja. Faça o favor de acabar logo com isso e extrair esse veneno. Não vou valer muita coisa contra Mamom se for destruído.

Volta-se para seu escravo recém-adquirido, ainda com a aparência da bruxa. Gostaria de mexer um pouco mais com sua cabeça mas aparentemente o tempo lhe faltava.

- Fique aqui querido, e mantenha-se seguro. Conversaremos mais tarde.

Volta-se para Ravenna. Seus olhos agora eram chamas brilhantes e quentes como o fogo do inferno que carregava dentro de sí.


- Um pouco de ação. Here we go...

________________________________________________
"Quando eu era um guerreiro, os tambores retumbavam,
As pessoas espalhavam pó de ouro diante das patas do meu cavalo;
Mas agora que sou um grande rei, as pessoas perseguem meus passos
Com veneno na minha taça de vinho e punhais às minhas costas."
- Rei Conan
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Heidi Cavalieri
Administrador
Administrador
avatar

Número de Mensagens : 1178
Idade : 27
Data de inscrição : 15/07/2008

MensagemAssunto: Re: 1º Crônica – No rastro de San Venganza – Lord Brazen   Qua Fev 05, 2014 10:47 pm

Postar no tópico Terra Brasilis, a batalha vai ser lá. Tem questionamento na área off, me responda depois ^^
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Lorde Brazen
Moderador
Moderador
avatar

Número de Mensagens : 124
Idade : 28
Localização : HEAR ME ROAR!
Data de inscrição : 18/12/2010

MensagemAssunto: Re: 1º Crônica – No rastro de San Venganza – Lord Brazen   Ter Abr 29, 2014 6:24 pm

Laos ainda se recuperava da luta, era uma recuperação rápida devido à sua habilidade de renegeração mas ainda levaria um tempo.

Pega um banco caído que ainda era utilizável e se senta. Presta atenção à Ravenna e o outro demônio, estavam conversando mas por algum motivo Laos não conseguia discernir as palavras. Maldita vadia dissimulada,era esperta e não confiava em ninguém nem mesmo seus alidados.

Não deixou de ter uma certa admiração por ela.

Laos precisava pensar rápido. Deveria ele dizer tudo á Ravenna e juntar forças com contra a bruxa maldita que o enfeitiçara? Ou deveria jogar seu duplo jogo sujo e conduzir Ravenna a uma armadilha?

Decide pela primeira opção. Ravenna era poderosa e muito esperta. Além disso tem se mantido a um passo á frente deles até aqui. O próprio Laos tinha uma ferramenta que poderia usar contra seus agressores.

________________________________________________
"Quando eu era um guerreiro, os tambores retumbavam,
As pessoas espalhavam pó de ouro diante das patas do meu cavalo;
Mas agora que sou um grande rei, as pessoas perseguem meus passos
Com veneno na minha taça de vinho e punhais às minhas costas."
- Rei Conan
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Heidi Cavalieri
Administrador
Administrador
avatar

Número de Mensagens : 1178
Idade : 27
Data de inscrição : 15/07/2008

MensagemAssunto: Re: 1º Crônica – No rastro de San Venganza – Lord Brazen   Dom Maio 04, 2014 3:19 pm

Você não conseguia ouvir nada, mas via muito bem. Ravenna curou as feridas mais agressivas do outro demônio, e depois de um tempo, ele deitou no palco, ela com uma adaga cortou algumas veias do seu corpo, uma aura vermelha encobrindo o corpo de ambos, não podia ouvir, mas sabia que aquilo estava doendo no corpo do demônio.

Algum tempo depois, você percebe um líquido misturado ao sangue que escorria pelo bar, parecido com o veneno que tinha em seu corpo.

Passa mais alguns minutos, a diaba levanta-se, guardando a adaga e voltando-se para você, ela sorri e caminha calmamente.

Chegando perto, estala os dedos e uma poltrona é formada de trevas. Ela senta-se com as pernas esticadas para cima. Fecha os olhos por alguns instantes, mas logo volta-se para você.

- Ele esta se recuperando, logo estará novo para um combate. Agora vamos conversar. Antes de qualquer coisa, admirável o seu poder de transmutação, pode ser quem quiser, será muito útil. Quase me enganou, sorte sua que sou boa em reconhecer vadias de longe hahaha

Ela se acomoda ainda mais na poltrona, as trevas, envolviam o seu corpo, você percebe que ela ganhava energia, quanto mais se envolvia, mais rápido suas forças eram recuperadas.

- Temos um grande problema Laos, temos duas adeptas de Mamon que não vão com a minha cara, por desavenças no passado, mas juro que nunca fiz nada demais à elas. O fato é que, depois de hoje, não nos encontraremos com tanta frequência, apenas para pequenas reuniões, distribuição de missões e caso aconteça alguma merda muito grande, vamos nos auxiliar.

Ela faz uma pausa, olha as unhas, percebe que uma quebrou, fica algum tempo olhando, indignada. Depois volta a falar.

- A primeira, envenenou o Azatoth, mas eu já tirei o veneno dele, afetava o coração, se eu não tirasse logo, provavelmente ele estaria morto agora. E a segunda, é a bruxa que você conheceu, Lara. Ela utiliza alguns lobisomens a seu favor, o cara que você enfeitiçou para arrancar informações é um deles.

Eu tiro o veneno de você, no teu caso esta mais fácil, mas repito o que digo ao Azatoth, vai doer, e vai doer MUITO. Mas você não vai morrer. É um preço a se pagar. Agora me diga, o que aquela cadela quer e que horas ela vem?
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Lorde Brazen
Moderador
Moderador
avatar

Número de Mensagens : 124
Idade : 28
Localização : HEAR ME ROAR!
Data de inscrição : 18/12/2010

MensagemAssunto: Re: 1º Crônica – No rastro de San Venganza – Lord Brazen   Seg Maio 05, 2014 3:46 pm

Laos apenas sorri. As feridas curavam-se mas ele preferia não se esforçar demais. Nunca fez nada demais? Relativo quando se tratava de demônios. MUITO relativo.

- Bem, acho que não temos muita escolha. Ela chegará em breve, disse que deveria entregar sua cabeça assim que a luta no bar terminar. Então não temos muito tempo á perder. Que doa. Quando arrancar o couro daquela prostituta e ouví-la gritar fará valer à pena.

Faria a bruxa maldita pagar pela insolência.

________________________________________________
"Quando eu era um guerreiro, os tambores retumbavam,
As pessoas espalhavam pó de ouro diante das patas do meu cavalo;
Mas agora que sou um grande rei, as pessoas perseguem meus passos
Com veneno na minha taça de vinho e punhais às minhas costas."
- Rei Conan
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: 1º Crônica – No rastro de San Venganza – Lord Brazen   

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
1º Crônica – No rastro de San Venganza – Lord Brazen
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» Para quem não conhece a transamazônica...
» Selos Personalizados - 50 Anos da Mônica
» Mecânica de Aeronaves - Apostilas e Provas ANAC
» [Brasil] Monomotor faz pouso forçado com políticos em Rondônia
» [Brasil] Construtora negocia aeroporto para aviação executiva em SP

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Mundo RPG :: Arquivo Morto :: JOGOS :: Universo Paralelo :: Purgatório-
Ir para: